O mês de dezembro já se inicia com um marco de grande importância: este ano, o Dia Mundial de Combate à Aids, comemorado no último domingo (1º), completa 30 anos de existência. Desde a sua instituição em 1988, pela Organização das Nações Unidas, a sociedade, ao lado de ONGs e entidades públicas e privadas, soma esforços no enfrentamento à doença causada pelo vírus HIV.

Há um ano, foi a vez do Brasil dar um passo à frente nesta luta criando o Dezembro Vermelho, nos moldes de outras campanhas de conscientização já existentes, como outubro rosa e novembro azul . E, como é de costume, o Tribunal de Contas de Pernambuco aderiu ao movimento, preparando diversas ações de conscientização voltadas tanto para a prevenção quanto para o combate ao preconceito em torno da doença.

A aids no Brasil e no mundo - A Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (aids) é uma doença transmitida pelo HIV, vírus que afeta o sistema imunológico interferindo na capacidade do organismo de combater infecções. A sua propagação pode acontecer através de relações sexuais sem proteção, contatos com produtos sanguíneos (agulhas sujas ou sangue não testado) e da mãe para o bebê, durante a gravidez, o parto ou a amamentação.

A Unaids aponta que, no mundo, cerca de 40 milhões de pessoas são portadoras do HIV. Só no ano passado, uma média de 1,8 milhão de pessoas foram infectadas e 940 mil foram a óbito por causas relacionadas ao vírus.

Embora o portador possa ter uma vida saudável, caso tome corretamente os medicamentos necessários para se proteger, a queda de apenas 18% no número de infectados nos últimos sete anos, segundo a Unais, é um dado alarmante. Entre os fatores que impedem a diminuição efetiva da quantidade de vítimas, está o aumento de pessoas idosas contraindo a doença devido à popularização de pílulas sexualmente estimulantes.

Segundo o Ministério da Saúde, entre 2012 e 2017, o Brasil tem registrado, anualmente, uma média de 40 mil novos casos de aids. Desde o início da epidemia, em 1980, foram notificadas mais de 300 mil mortes causadas pela doença em todo o país.

Visando comemorar o Dezembro Vermelho e relembrar as lutas e conquistas na resposta global ao HIV, o órgão vai cobrir a Esplanada dos Ministérios com um imenso mosaico formado por colchas de retalhos (quilt). A ação faz menção a uma prática realizada na década de 1980, nos Estados Unidos, para homenagear as vítimas da doença.

Gerência de Jornalismo (GEJO), 01/12/2018