Em setembro a análise de diversos procedimentos licitatórios de prefeituras e órgãos do Estado, rendeu uma série de benefícios financeiros para os cofres públicos.

Boa parte dos benefícios ocorreram a partir da avaliação da adequação de valores licitados. Entre eles, vale destacar o de R$ 10.960.731,38 na prefeitura de Garanhuns, após análise, pela Inspetoria Regional de Arcoverde (IRAR), da aquisição de materiais de construção para uso de diversas secretarias do município, que levou a publicação de Cautelar e posterior cancelamento do Pregão.

Outras avaliações feitas em processos licitatórios, com redução do valor inicial licitado, geraram uma economia de R$ 4.449.231,14 na Prefeitura de Afogados da Ingazeira, R$ 4.416.457,28, na prefeitura de Custódia e de R$ 4.424.739,13 na Prefeitura de Sertânia.

REPORTAGEM -  O trabalho preventivo que o Tribunal de Contas faz nas receitas, despesas e licitações junto aos órgãos estaduais e municipais foi reportagem de capa na edição deste final de semana do jornal Diario de Pernambuco. Na matéria, assinada pela jornalista Rosália Rangel, é destacado que correções feitas pelo TCE em licitações, receitas e despesas públicas nos últimos sete anos, evitaram um prejuízo de R$ 2,3 bilhões.

A reportagem destaca alguns processos que proporcionaram maior redução de gastos pelo poder público, como, por exemplo, a redução do preço em processos licitatórios.  

Ao longo do exercício de 2019 os trabalhos do Tribunal já geraram, até o momento, benefícios de R$ 76.462.575,57 aos cofres públicos.

Gerência de Jornalismo (GEJO), 25/09/2019