O evento “Café com Engenharia: Debate sobre construção civil”, promovido pela Escola Politécnica de Pernambucano (POLI), na última segunda-feira (22), discutiu o tema "o que e como faremos no pós-crise?" e teve a participação do servidor Pedro Teixeira, do Núcleo de Engenharia (NEG) representando o Tribunal de Contas.


Durante o debate, que contou com a presença de profissionais da área e alunos do curso de Engenharia da instituição de ensino, Pedro Teixeira falou do trabalho realizado pelo NEG, ressaltando pontos como a análise de projetos e editais de licitação, estudos e diagnósticos, além do acompanhamento da execução de obras. Ele também destacou que esse trabalho contribui para a valorização dos bons profissionais e das boas práticas de engenharia. 

Ao discorrer sobre as atribuições do profissional de engenharia, o servidor chamou a atenção para a importância da retomada de seu protagonismo no planejamento e gestão técnica dos empreendimentos sob a sua responsabilidade. “O engenheiro precisa sair da condição de coadjuvante que, na maioria das vezes, vai de encontro às boas práticas da engenharia e deixa em segundo plano o correto e efetivo planejamento da obra”, comentou. Em sua avaliação, na maioria das vezes, essa postura compromete o andamento, a economicidade e a conclusão das construções feitas por instituições públicas.

ATRIBUIÇÕES - Além de atuar na verificação da economicidade das obras públicas de engenharia sob a responsabilidade do Governo Estadual e dos 184 municípios pernambucanos, o TCE também orienta os gestores sobre a correta aplicação dos recursos públicos. Para reforçar a tarefa, o NEG disponibiliza uma cartilha (clique aqui) contendo, entre outras informações, normas para o correto arquivamento documental das obras e serviços contratados pelos jurisdicionados. 

Ao final, os participantes puderam esclarecer dúvidas e obter informações sobre a atuação do Tribunal de Contas relacionada ao tema do evento.

Gerência de Jornalismo (GEJO), 26/05/2017