Suporte técnico a sistemas - segunda a sexta - 0800 281 7717 e 081 98225-2906 das 8h às 14h, 081 98494-0031 das 12h ás 18h ou atendimento@tce.pe.gov.br das 8h às 18h.

Ouvidoria - 0800 081 1027- segunda a sexta, das 7h às 13h ou ouvidoria@tce.pe.gov.br

 O atendimento no setor de protocolo do TCE será feito por meio digital na opção "Consultar/Protocolar documentos". Dúvidas pelo telefone 0800 281 7717 ou pelo email atendimento@tce.pe.gov.br


Uma auditoria especial realizada no município de Iati, em 2018, apontou irregularidades no contrato referente à operação do aterro sanitário municipal. O processo (nº 1820346-2), que teve como relator o conselheiro Carlos Porto, foi julgado irregular pela Segunda Câmara do TCE, na última quinta-feira (22), e resultou na imputação de débito de R$ 49.714,50, e multa, aos responsáveis. 

O valor deverá ser pago solidariamente pela empresa contratada, Mega Max Transportes, Terraplanagem e Construção, e pelo fiscal do contrato da Prefeitura, Felipe Tenório de Lima, também multado no valor de R$ 9 mil. O secretário de Obras do município, Antônio José Bernardo de Santana Souza, também foi responsabilizado pelas irregularidades.

O voto do relator mostra que a auditoria especial foi formalizada com a finalidade de aprofundar a análise do contrato para Operação do Aterro Sanitário de lati, objeto de Medida Cautelar referendada pela Segunda Câmara através do Acórdão TC nº 1213, em 2018. A decisão determinou que os valores pagos seguissem a metodologia do Núcleo de Engenharia do Tribunal, com montantes mensais fixos e variáveis.

O relatório da equipe técnica da Gerência de Auditorias de Obras Municipais/Sul (GAOS) do TCE apontou que as irregularidades encontradas podiam causar a perda do licenciamento ambiental do aterro, além de perda de arrecadação de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS). Ainda, a realização de atividades de forma diferente ao estabelecido em contrato provocou um dano ao erário de R$ 49.714,50.

Sendo assim, o conselheiro Carlos Porto determinou à gestão municipal de Iati que, no prazo de 60 dias, os serviços necessários à operação do aterro passem a ser executados em consonância com o Projeto Básico. Ele também determinou que seja exigida a disponibilização dos equipamentos previstos em contrato e seja realizado estudo visando à otimização dos custos das operações do Aterro Sanitário.

SESSÃO - Estiveram presentes à sessão, os conselheiros Marcos Loreto (presidente da Segunda Câmara), Carlos Porto e Teresa Duere, além dos substitutos Ricardo Rios, Adriano Cisneiros, Luiz Arcoverde Filho e Marcos Flávio Tenório. Representando o Ministério Público de Contas, esteve o procurador Gilmar Lima.

Gerência de Jornalismo (GEJO), 28/04/2021